Hubstaff
Os vários ícones das Redes Sociais.
Clientes

Tendências do Mundo Digital em Portugal para 2019

Já lá vai o tempo em que as empresas procuravam um “spot” no horário nobre de televisão ou da rádio para verem ou ouvirem passar os seus anúncios e assim poderem chegar ao consumidor final e subir as suas vendas.

Hoje em dia o consumidor está mais perto e as empresas estudam novas estratégias de marketing para chegarem até ele e perceber o que este procura.

Com a facilidade que existe de se poder aceder à internet em qualquer lugar, quer seja no telemóvel, computador ou tablet, e a quantidade de informação que esta nos proporciona, a maior parte dos consumidores de hoje não fica a saber das novidades nas lojas físicas mas sim através da internet.

Até porque, a maioria dos consumidores de hoje ficam a saber de produtos novos através de sugestões que aparecem nas redes sociais ou nos blogs que seguem. Estes procuram primeiro informar-se sobre os produtos e a concorrência por forma a encontrarem as melhores ofertas, tomam decisões e só depois é que realizam a sua compra ou nas lojas online ou indo à loja física.

Passa então a ser cada vez mais importante que as empresas percebam o comportamento dos consumidores online e, como resposta, aparecem cada vez mais relatórios com detalhes que ajudam a adotar melhores estratégias de marketing.

As Tendências do Mundo Digital em Portugal

No início do ano, como já tem sido habitual, a We Are Social (uma agência de marketing que trabalha com grandes empresas do mercado, como a Google, Adidas, Samsung, Vodafone e muitos mais) e a Hootsuite (uma das grandes plataformas online de gestão de conteúdo social mais conhecidas) publicaram o seu Relatório Anual sobre o uso da Internet, de dispositivos móveis, redes sociais e comércio online no mundo – Digital 2019: Global Digital Overview – com informação que ajuda em muito as empresas de hoje a adotarem estratégias de marketing de acordo com as tendências no mundo digital.

No entanto, este relatório não apresenta só informação a nível global, mas também por país, o que ajuda em muito a perceber as particularidades de cada país.

Todos os relatórios individuais de cada país começam por mostrar uma visão global da situação do mundo digital e depois a situação do país em causa.

“Mais de 360 milhões de pessoas apareceram online pela primeira vez durante o ano de 2018, com uma média de mais de 1 milhão de novos utilizadores por dia. 57 por cento da população mundial está agora ligada à internet […] “

Simon Kemp , Autor do Relatório “Digital 2019”

A visão geral

Tendo em mente que este relatório tem dados desde janeiro de 2018 a janeiro de 2019, por forma a perceber as tendências, vamos então analisar a situação de Portugal.

Visão geral da situação em Portugal quanto ao total da população (10.27 milhões) comparado com as subscrições de serviços móveis, os utilizadores de internet, os utilizadores ativos nas redes sociais e os que utilizam as redes socias no telemóvel.

Neste slide podemos de imediato notar a quantidade de subscrições móveis (153%) que é bem maior do que a população em Portugal e como 66% dos portugueses se encontram nos centros urbanos.

Book Gift - www.wook.pt

Quanto ao uso da internet, podemos desde já perceber que 78% da população é, de alguma forma, utilizador da internet e que 65% são mesmo utilizadores ativos das Redes Sociais, optando por maioritariamente aceder através dos seus dispositivos móveis.

Crescimento anual

Como se pode verificar neste slide, não ouve um aumento na população, no entanto foram realizadas mais subscrições móveis (+4,3%) e mais pessoas começaram a aceder à internet (+3,7%).

Ou seja, é cada vez mais importante que as empresas adaptem o seu conteúdo online (quer sejam blogs, websites ou mesmo lojas online) para que se ajustem aos “pequenos ecrãs” e que estas estejam presentes nas redes sociais.

“Só em 2018 surgiram mais 283 milhões de utilizadores online”

Tipo de dispositivo utilizado

A televisão continua a estar presente nas casas portuguesas (96%), no entanto 67% dos portugueses também são utilizadores de “smartphones” e 63% têm um computador (portátil ou fixo).

Dá para perceber quem os portugueses não são grandes adeptos dos “e-readers” (1%), de “smartwatchs” e dispositivos idênticos (4%) ou mesmo de dispositivos de transmissão de conteúdo da internet para a televisão (7%), provavelmente (opinião pessoal) porque podem encontrar as mesmas funcionalidades nos seus smartphones, computadores e tablets.

Tempo gasto com os meios de comunicação

Independentemente do dispositivo que utilizem, os portugueses passam em média 6:38 horas por dia nos meios de comunicação, sendo que pouco a média de tempo a ver televisão (2h 32m) e a utilizar as redes sociais (2h 09m) é muito idêntica.

O que reforça a ideia de que as empresas deveriam estar igualmente presentes tanto em televisão como nas redes sociais.

Sendo que este indicador é também muito relevante para as pequenas empresas ou mesmo empresários individuais que por questões de orçamento nunca conseguiram fazer presença na publicidade televisiva e podem agora ser presença constante e forte nas redes sociais, visto serem mais vantajosas financeiramente.

O uso da internet

Tendo em conta a totalidade dos utilizadores de internet em Portugal, 85% utilizam a internet diariamente.

E 95% dos utilizadores de internet vêm vídeos online, o que ajuda as empresas a perceberem como o uso do vídeo como ferramenta de marketing é algo que atrairá muito a população em Portugal.

No entanto, como podemos ver no slide a seguir, uma das tecnologias mais utilizadas em Portugal são as ferramentas para bloquear a publicidade (45%).

Este indicador pode nos levar a diferentes conclusões, no entanto é importante que as empresas tenham este em consideração.

O uso das Redes Sociais

No que respeita ao uso das Redes Sociais, para além de já termos referido que o tempo médio gasto nas redes sociais é de pouco mais de 2 horas por dia, também é de reter que a média do número de contas nas Redes Sociais, por utilizador, é de 8 perfis.

Claro está que este indicador pode ser interpretado de diferentes formas, ou porque podem ser mais do que um perfil na mesma rede social ou porque podem ser mesmo um perfil em 8 redes sociais diferentes, no entanto mostra bem como os portugueses estão presentes nas redes sociais e como é importante ficar a conhecer em quais redes sociais e como utilizar as características de cada uma na sua estratégia de marketing.

Free Delivery on all Books at the Book Depository

Sendo então que, tendo em conta o slide acima, podemos concluir que o top 5 dos portugueses, no que diz respeito ao uso das redes sociais é:

  • 1º Lugar – Facebook e YouTube (90%)
  • 2º Lugar – Instagram (61%)
  • 3º Lugar – LinkedIn (35%)
  • 4º Lugar – Pinterest (33%)
  • 5º Lugar – Twitter (31%)

Portanto, como empresa vais com certeza querer estar presente, pelo menos, no Facebook e/ou no YouTube.

Uso de dispositivos móveis

A maioria dos portugueses utilizam os seus dispositivos móveis para acederem a algum tipo de Messenger (81%) e para ver vídeos (81%) ou como GPS, para acederem a serviços de mapas online (70%).

O uso do comércio eletrónico

Aqui fica claro como os portugueses optam por primeiro procurar pelos produtos ou serviços online (85%) e só depois é que tomam as suas decisões e fazem as suas compras, quer sejam online (59%) ou não.

O setor em alta nas vendas online é sem dúvida o setor turístico em que foram gastos mais de $2 biliões em viagens (incluindo o alojamento). No entanto também há uma grande procura na área dos Brinquedos, Projetos Manuais e Passatempos e em Produtos de Moda e Beleza

No entanto, quanto ao crescimento de cada área, no que respeita ao comércio online, podemos verificar que a área do Mobiliário e Eletrodomésticos foi a mais significativa (19%) e que a Moda e Beleza continua em crescimento (15%).

Preocupações sobre o uso de dados pessoais

Apesar de este ponto não aparecer no relatório anual que temos estado a analisar, aparece no relatório global do 3º trimestre de 2019 e, parece-me a mim, que seja um indicador de relevante importância quanto à forma como os portugueses vêm a sua privacidade no mundo online e que, de certa forma, também justifica certos comportamentos como consumidores online.

A verdade é que, no relatório de julho de 2019, os portugueses são os utilizadores de internet mais preocupados com a forma como as empresas utilizam os seus dados pessoais (82%).

Noticias online

Quanto aos portugueses que utilizam canais online (incluindo as Redes Sociais) como fonte de notícias temos uma percentagem de 79%.

No entanto, os portugueses não são adeptos de pagarem por serviços de notícias online (7%).

Quanto à veracidade das notícias que encontram online, eu diria que os portugueses não acreditam facilmente em tudo o que vêm online, sendo que 75% dos portugueses se preocupam com as possíveis “Fake News” online.

Em suma…

Destes relatórios podem se concluir diversas coisas, principalmente quando se analisa com mais pormenor cada um dos dados fornecidos.

Na minha opinião, julgo que seja claro que é importante que o conteúdo que colocamos online seja a pensar nos “pequenos ecrãs”. Ou seja, quando criamos um website ou loja online, é importante que o tema escolhido se adapte aos pequenos ecrãs. Como tal é importante verificar como é que o site fica quando acedemos através do telemóvel e/ou tablet.

A tendência é que continuem a surgir novas pessoas no mundo online e como tal é importante que as empresas ou profissionais estejam presentes online para poderem crescer e chegar mais longe.

Os portugueses adoram ver vídeos online, quer seja no computador ou no telemóvel, como tal esta será a melhor forma de chegar até eles. Talvez seja uma ideia criar um canal no YouTube onde se mostra como é a empresa por detrás da marca – “behind the scenes” – ou mesmo vídeos a explicar o que os clientes podem encontrar ao visitarem as suas lojas. Por exemplo, vídeos sobre como utilizar o seu novo produto ou com exemplos dos serviços que presta.

É importante referir que quase metade dos portugueses online (45%) utilizam ferramentas para bloquearem publicidade. Os tão famosos “pop-ups” quando se acede a um website são realmente “irritantes” e também é possível deixar de ver publicidade no meio dos vídeos no YouTube.

Ou seja, é importante adotar outras formas de publicidade. Sendo que a melhor de todas no mundo online é o “passa a palavra”. Por isso os tão chamados “influencers” estão na moda. São pessoas com um grande número de seguidores que testam produtos e partilham a sua opinião com os seus fãs.

Outra das formas mais utilizadas é o de partilhar coisas nas redes sociais e as pessoas partilham, logo chegará a novas pessoas que viram um post no perfil de um amigo ou familiar e querem experimentar.

Com os portugueses presentes em várias plataformas de redes sociais, é importante conhecer cada uma e saber o que publicar em cada uma. Perceber em que redes sociais se encontra o teu público-alvo e adotar uma estratégia de marketing de acordo com as plataformas selecionadas.

Não é necessário estar em todo o lado, mas sem dúvida que é importante estar presente online. Visto que o Facebook e o YouTube são os preferidos dos portugueses, pelo menos no Facebook quererás estar presente.

Hubstaff

Na sua maioria, os portugueses primeiro pesquisam online por aquilo que precisam, comparam preços e feedback de outros clientes e só depois vão à loja (provavelmente para “testar” e ver por si mesmos), sendo que só depois tomam uma decisão e fazem a compra.

Metade dos portugueses optam por comprar online, principalmente no ramo do turismo e da moda e beleza, no entanto já começam a ser mais os que procuram por mobiliário e eletrodomésticos.

Começa é ser muito vantajoso ter uma loja online em que o cliente pode encontrar o mesmo que na loja física e assim escolher qual a forma mais cómoda para efetuar as suas compras.

Também ficou claro que os portugueses não acreditam em tudo o que vêm online e têm grandes preocupações com a forma como as empresas podem utilizar os seus dados, sendo que é importante que as empresas sejam mais “transparentes”, utilizem programas fidedignos e que tenham um apoio a pensar no consumidor.

Por forma a que os clientes queiram voltar, é preciso que todas as suas questões sejam esclarecidas da melhor forma possível. Até porque, se o cliente estiver insatisfeito, mas a sua questão for resolvida ele continuará a voltar a comprar na sua loja ou empresa.


NOTA FINAL

Se quiseres aceder a todos os relatórios para poderes analisar mais detalhes, aqui ficam os links:

  • 9
    Shares

Um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.